Weintraub a Eduardo Bolsonaro: 'cedo ou tarde irei te encontrar'

Atualizado: 25 de abr.

Depois de ter sido chamado de "filho da puta" pelo parlamentar, o ex-ministro o alertou de que aguarda ser procurado pelo filho de Bolsonaro

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Via Metrópoles


O ex-ministro da Educação Abraham Weintraub (fotos em destaque) reagiu aos xingamentos do ex-aliado, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP). Depois de ter sido chamado de “filho da puta” pelo parlamentar, o ex-ministro o alertou: “Cedo ou tarde irei te encontrar”.


“Aguardo o Eduardo Bolsonaro me procurar, após ofender minha falecida mãe. Quer conversar em particular? Debater em publico? Falar pessoalmente? Cedo ou tarde irei te encontrar (isso não é ameaça de violência física) e você não vai gostar”, disse Weintraub.

Tudo começou quando Abraham Weintraub e o irmão, Arthur Weintraub, que já foi assessor da Presidência, criticaram o indulto ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), na noite de sexta-feira (22/4). Arthur Weintraub falou em criação de “precedentes” a partir do indulto dado a Silveira pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).


“Os precedentes que estão sendo criados são péssimos. Depois você vai querer comparar o que aconteceu com o Daniel com um cara lá na frente que tiver (condenação por) corrupção, lavagem de dinheiro, falar ‘não, isso aqui também, já tem o precedente’. É impressionante, nunca pensei que ia ver uma coisa dessas”, disse o ex-assessor em vídeo.

Tomando as dores do deputado recém-condenado deputado Daniel Silveira, Eduardo Bolsonaro retrucou o comentário:


“A gente tá (na) guerra e o cara me falando em precedente, como se nunca um corrupto tivesse recebido indulto e agora o instrumento tenha sido utilizado para seu fim: soltar um inocente. E quem fala são os irmãos que saíram do país para se livrar desta perseguição. São uns filhos de uma p*! Desculpa, mas não há outra palavra”, escreveu o deputado no Twitter.

Além da mensagem a Eduardo, os irmãos Weintraub prometeram, para a noite deste domingo (24/4), a revelação de detalhes do “topo do Palácio do Planalto”, que “chocarão a imensa maioria”. O ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo com quem o Clã Bolsonaro também mantém atritos, deve participar.


“Xingaram meu pai de maconheiro e minha mãe de prostituta. Falam que sou oportunista, traidor, palhaço, etc. E há participação do topo/Palácio. Cansei! Vou contar detalhes que chocarão a imensa maioria”, disse Abraham em uma publicação no Telegram.
0 visualização0 comentário